27 de junho de 2022

A dianteira da ultradireita “liberal” na América Latina

Reuniram-se no Brasil, esta semana, para ratificar sua aliança: Eduardo Bolsonaro, filho do presidente brasileiro; o argentino Javier Milei e o chileno Kast e se apresentam, escancaradamente, como “a barreira de contenção ao socialismo” na América Latina.

Daniel Gatti

O cenário do encontro foi a cidade de São Paulo, onde ocorreu a Conferência da Ação Política Conservadora (CAPC), arremedo sul-americano do foro organizado na América do Norte desde 1973, a União Conservadora Estadunidense e os Jovens Estadunidenses pela Liberdade.

O encontro brasileiro foi realizado pelo Instituto Conservador-Liberal, dirigido por Eduardo Bolsonaro.

Milei, líder da ascendente A Liberdade Avança, é o único do trio que define expressamente como “liberal”, esse curioso guarda-chuva identitário importado de países anglo-saxões debaixo do qual se agrupam muitos dos defensores do neoliberalismo. Seu grupo disputa com Juntos pela Mudança a primazia da direita argentina.

Mas os três se reconhecem dentro desse perfil caracterizado também por seus pontos de contato com a ultradireita mais violenta: Kast, filho de um oficial nazi alemão, dirige o Partido Republicano, que não dissimula sua filiação pinochetista; Milei está rodeado de defensores da última ditadura argentina; e Bolsonaro, o que dizer do conflituoso deputado Bolsonaro, fiel entre os fiéis do seu pai, o ex-sargento Jair Bolsonaro.

“Não me importa como me definam: se como ‘liberal’, se como “liberal-conservador’, se como ultradireitista. Sou um amante da liberdade e inimigo do comunismo”, disse a pouco o brasileiro, que frequenta os círculos de apoiadores do ex-presidente Donald Trump e compartilha foros com os espanhóis ultramontanos do Vox, franceses do Agrupamento Nacional de Marine Le Pen e italianos de La Liga.

Um dos pontos centrais da reunião da CAPC foi o de ir elaborando uma estratégia para “enfrentar o socialismo”, que seria, outra vez, uma “ameaça” para a América Latina.

Por socialismo ou comunismo os três “liberais” entendem qualquer projeto minimamente redistributivo que pressuponha uma “interferência” do Estado com o “livre andar do único motor genuíno da economia: o mercado”, segundo costuma dizer Milei, economista ligado às teses de Milton Friedman, de Friedrich von Hayek.

“É preciso entender que o socialismo não é um adversário honesto, mas sim que é o inimigo. Não compreender isso implica em tomar posições mornas que induzem a maiores doses de socialismo, até chegar numa ditadura própria da esquerda”, defendeu o argentino no Brasil.

Os três trocaram símbolos e posaram juntos para a foto da maneira costumeiramente usada por Jair Bolsonaro: como se empunhassem uma pistola em cada mão. E Kast lançou da tribuna o grito que caracteriza Milei em seus comícios: “Viva a liberdade, caralho!”

“Não se deve menosprezar essa gente, por mais que apareçam como fanfarrões ou como louquinhos”, disse recentemente o presidente do Movimento de Justiça e Direitos Humanos do Brasil e assessor de Direitos Humanos da Rel UITA, Jair Krischke.

Ninguém dava nada por Trump, ninguém dava nada por Bolsonaro. E aí estão eles.”.

 

Notícias Recentes

1 de novembro de 2022

CONVENIO MARCO ENTRE LA UNIVERSIDAD NACIONAL DE JOSÉ CLEMENTE PAZ Y EL INSTITUTO DE INVESTIGACIONES Y ESTUDIOS SUPERIORES DE LA JUDICATURA Y MINISTERIO PÚBLICO

1 de novembro de 2022

Edital de Convocação Assembleia Geral Extraordinária IPEATRA

24 de outubro de 2022

Desembargador do TRT4 Manuel Cid Jardon determina que Stara se abstenha de práticas de coação eleitoral junto a empregados

5 de outubro de 2022

Matías Bailone lança livro Direito Penal Antiterrorista e o Estado Constitucional de Direito